EM DESTAQUE

  • RUA ARAÚJO….É hora de ir a putaria. Conto de Eduardo Quive
  • FESTIVAL INTERNACIONAL SHOWESIA – levando a mensagem sobre a Paz no Mundo através da arte
  • VALE A PENA GASTAR 111 MILHÕES USD PARA ALTERAR A LÍNGUA?
  • Feira do Livro da Minerva Central na 76ª Edição em Maputo”.
  • SEGUIDORES

    LEIA AQUI A EDIÇÃO 51

    Pub

    Croniconto: O curandeiro contratado pelo meu edil


    Dany Wambire - Beira/Moçambique



    Os resultados das eleições já há muito eram conhecidos. E não estavam longe das previsões, confirmando as sondagens. E o presidente tomou posse ante os apoiantes eufóricos, muitos deles desejando de imediato recompensas do apoio de que eles prestaram ao recém-eleito presidente da autarquia. Acotovelam-se no partido de que presidente fazia parte, uns dizendo que eram mais membros que outros. Até uns chegavam a interpelar o presidente apenas para maldizer dos outros:
    ― Aqueles estão a aderir ao partido só para tirar partidos.
    E diziam mais. Acusavam alguns que viram fulanos metidos em conversa com sicranos do partido da posição ou oposição. Tristonho! Parece-me que custa ser dirigente numa autarquia como a nossa, a de Fim-de-Mundo. Pois, para além de satisfazer os interesses dos munícipes, deves recompensar com coisas imediatas aos seus partidários. E caso não o faças conspiram-te, até de te demitirem? Sei lá, respondam os que conhecem disciplina e indisciplina partidária.
    Sei, sim, que quando o genro de meu avô, Genrónimo Comichão, entrou para a autarquia, a mesma tinha muitos problemas. Havia desordenadas construções de casas, construções sem as respectivas licenças. Até em valas de drenagens havia gigantes obras, edificadas ante o olhar e ouvir impávidos das predecessoras autoridades autárquicas.
    No resto, os vereadores do anterior governo, os que demoniacamente engendraram e permitiram a evolução dos supracitados problemas estavam no rente governo autárquico, não de pedra e cal, incumprindo as respectivas funções. Só o novo edil não os exonerou para uma boa imagem política. Pois, nos tempos que corriam soava bem para os doadores ouvir que um governo tem na sua
    estrutura membros de partidos da Oposição ou da Posição.
    Entrementes, de imediato, o presidente quis atacar os problemas que encontrou, ordenar a destruição das infraestruturas desordenadas e as edificadas nas antigas valas de drenagem e que em tempos de cheias os proprietários exigiam assistência humanitária, curiosamente. De imediato, também, a ideia de presidente venceu adversão dos vereadores, encasquetando-lhe:
    ― Não faça isso, sua excelência, se não perderás muitos votos nas próximas eleições.
    O edil não desandou, a decisão manteve-se. E, logo que a decisão foi posta em voga pela mídia, as pessoas e outras visadas desataram a maldizer em surdina: queremos ver, vão morrer, isto é Fim-de-Mundo, que se coloquem a pau, vão avariar esses guindastes.
    No seguido, os guindastes, essas máquinas de levantamento de pesos, estavam no terreno a exercer o trabalho. Mas a dado momento, enquanto o trabalho se exercia, desatou a jorrar sangue através do chão da máquina. Vinha de onde? O combustível da máquina se convertera em sangue? Não. Soube-se instantes depois quando o proprietário do sangue, já enxuto, menos pesado que papagaio, não mais respirava. Estava morto, pés involuntariamente afundando os pedais.
    O presidente e os criminalistas entenderam aquilo como normal, de hemorragia externa se tratava. E foram a conduzir a máquina de destruição tantos outros maquinistas, num número de 20, tendo sido todos acometidos pelo igual azar: tremendas hemorragias. Enquanto isso, as pessoas visadas festejavam sem pompas, mas com circunstâncias.
    Foi, então, a partir deste momento que o edil decidiu criar um gabinete, que responderia prontamente aos problemas, o gabinete de assuntos tradicionais, depois passado para gabinete de Magia. Contratou os respectivos recursos humanos, quatros famigerados curandeiros, e orçamento, como ordenavam as intestinais regras autárquicas, aprovado pela respectiva Assembleia Municipal de Fim-de-Mundo (AMFM).

    0 comentários:

    Publicar um comentário

    Pub

    AS MAIS LIDAS DA SEMANA

    Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More