EM DESTAQUE

  • RUA ARAÚJO….É hora de ir a putaria. Conto de Eduardo Quive
  • FESTIVAL INTERNACIONAL SHOWESIA – levando a mensagem sobre a Paz no Mundo através da arte
  • VALE A PENA GASTAR 111 MILHÕES USD PARA ALTERAR A LÍNGUA?
  • Feira do Livro da Minerva Central na 76ª Edição em Maputo”.
  • SEGUIDORES

    LEIA AQUI A EDIÇÃO 51

    Pub

    Vista A Minha Pele


    Silas Correia Leite - Itararé

    Para Júlio Hendrix Silva Rodrigues


    Vista a minha pele
    Você conseguiria?
    Seja negro só por um dia
    Seja preto pelo menos por mim
    Somando todas as minhas cores assim

    Vista a minha pele
    Assuma a minha cor
    Seja você quem for
    Capture radicalmente a minha dor
    Bem lá dentro de mim
    E procure me compreender melhor assim

    Vista a minha pele
    Eu sou igualzinho a você
    Ser Humano, porque
    Corpo, Mente, Banzo, Coração
    Então questione racismo e discriminação

    Vista a minha pele
    Sou vermelho por dentro
    E negro sempre cem por cento
    Afrobrasilis, Afrodescendente
    Muito além de para sempre
    Inteiramente ser humano e sobretudo gente

    Vista a minha pele
    Vista-se epidermicamente de mim
    E procure me entender como seu igual assim
    Seu irmão da humana cósmica raça
    E sinta tudo o que dentro de mim se passa


    Assim você muito bem confere
    Assim você vai realmente se sentir
    Lá dentro da minha própria pele
    Como eu quero ser árvore de leite e florir
    Como eu quero ser janela de pão e me abrir
    Como eu quero ser estrada de açúcar e prosseguir
    Como eu quero o fim de diáporas e sorrir
    Sem nenhum branco para me ferir
    E você vai captar essencialmente então
    A verdadeira pureza do que é primordial
    E o que eu quero é total libertação
    E todos iguais na aquarela da coloração
    Numa brasileiríssima democracia racial

    Vista a minha pele
    Seja um pouco eu mesmo um negrão aí
    Dentro de você - Para você sentir
    Sou preto brasileirinho
    Sou negrão e sou negrinho
    Sou Negro e Ser Humano de igual valor
    E tenho a África nas moendas e engenhos no meu interior

    Depois de me vestir e depois de se sair de si
    Deixando de ser eu negro aí
    Venha me estender a sua mão
    E, de coração para coração
    Abrace-me como um seu completo irmão
    A pele espiritual sendo uma só então
    Numa sagrada e sideral celebração.

    0 comentários:

    Publicar um comentário

    Pub

    AS MAIS LIDAS DA SEMANA

    Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More