EM DESTAQUE

  • RUA ARAÚJO….É hora de ir a putaria. Conto de Eduardo Quive
  • FESTIVAL INTERNACIONAL SHOWESIA – levando a mensagem sobre a Paz no Mundo através da arte
  • VALE A PENA GASTAR 111 MILHÕES USD PARA ALTERAR A LÍNGUA?
  • Feira do Livro da Minerva Central na 76ª Edição em Maputo”.
  • SEGUIDORES

    LEIA AQUI A EDIÇÃO 51

    Pub

    Africanidades: A arte de saber (d)escrever África pela pena de um Ocidental


    Victor Eustáquio - Portugal



    Parece incontornável o facto de que, para um autor ocidental, escrever sobre África é uma tarefa difícil. Cito apenas três exemplos, curiosamente todos eles “baseados” em factos reais: (1) «O Sonho do Celta», de Mario Vargas Llosa. Exaustiva reconstituição histórica, mas com sérios erros de percepção epistemológica que resultam no pecado da colonização da própria narrativa. Veja-se os recursos semânticos usados pelo autor quando tenta recriar o antigo Congo belga. Tão desastroso que nem parece vir um escritor peruano. Não admira que o acusem de mercenário de causas políticas; (2) «O Cemitério de Praga», de Umberto Eco. Alguns críticos portugueses, que devem ter lido apenas as primeiras páginas do livro, falam em terrorismo intelectual. Talvez sim… precisamente nas primeiras páginas. Mas Eco foi muito mais longe. O problema é que, ao longo da extensa justificação histórica feita pelo autor sobre um suposto plano diabólico posto em marcha com vista à hegemonia hebraica à escala global, fica a misteriosa sensação, na narrativa, de que a Ocidente os ecos do Islão não passaram disso mesmo, de meros ecos inconsequentes. Estranho e redutor; (3) «Rio de Sangue», de Tim Butcher. Escrita empolgante, simples, em registo de crónica de viagem, com um evidente e forte background de conhecimentos adquiridos no terreno através de experiências pessoais. Interessante. Contudo, funesto na percepção de África, em particular da complexidade de olhares que coabitam, e se digladiam, na República Democrática do Congo. É que pôr o assunto nas mãos de um jornalista, habituado a relatar acontecimentos apenas perceptíveis na linguagem ocidental, mais não é do que fazer a apologia da já estafada supremacia imperialista.
    Moral da história e já Saramago o dizia: não basta olhar. É preciso saber ver, com esse olhar. O olhar de fora e o olhar de dentro. Essa é a missão. E o grande desafio.

    0 comentários:

    Publicar um comentário

    Pub

    AS MAIS LIDAS DA SEMANA

    Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More