EM DESTAQUE

  • RUA ARAÚJO….É hora de ir a putaria. Conto de Eduardo Quive
  • FESTIVAL INTERNACIONAL SHOWESIA – levando a mensagem sobre a Paz no Mundo através da arte
  • VALE A PENA GASTAR 111 MILHÕES USD PARA ALTERAR A LÍNGUA?
  • Feira do Livro da Minerva Central na 76ª Edição em Maputo”.
  • SEGUIDORES

    LEIA AQUI A EDIÇÃO 51

    Pub

    O passo certo no caminho errado: A vontade das vontades


    Nelson Lineu – Maputo



    Sai de chinelos, calção e camisa modesta, veste-se assim nesses ultimamentes. Vai comprar pão, a mulher foi trabalhar e os filhos foram a escola, colimar o futuro. Horas depois ele mesmo irá ao mercado, fazer compras para o almoço, ouvir papo de lá passou a ser o seu hobby favorito. Hoje em vez da padaria, foi comprar nas senhoras que vendem pães em pleno passeio. É ilegal? E a miséria que lhes é desti-nada?
    A senhora assustou-se por ver aquela figuríssima ali, estava habituado a ver-lhe de carro, ver como quem diz, nem sempre o via porque o carro tinha vidros fumados. O Gusmão Cossa era filho do meio, chamava-se assim por ter nascido, dum pai do norte e mãe do sul do país. Relaciona-mento que segundo o que ele ouvia beneficiava as mulheres porque homens do norte eram dzamwamwas ou matrecos, por confiar cegamente deixavam os salários com as esposas, muitas vezes elas é quem tinham a última palavra. Pensavam assim os do norte, os meninos vão crescendo com a lição segundo a qual não deviam casar com as mulheres do sul. Em contra partida comentava-se que as do norte eram feiticeiras, punham na garrafa os maridos ou mesmo entre as pernas com os seus golpes de sedu-ção, ao chegarem a idade donzela, tinham umas as aulas que chamam por ritos de iniciação, onde ensinam como sem vergonhar. Pelos do sul. O que nesses casos tinham de comum, dum lado era o facto de purificar e angeli-car as mulheres locais, se calhar seja por isso que esse conflito exista até agora, adivinhando a dificuldade de levar um anjo a cama; e do outro os familiares acharem sempre que os homens eram as vítimas e as mulheres doutra zona culpadas.
    O Gusmão Cossa que pelo domínio que se diz as mulheres terem pelo homem teve como apelido o nome do avô do lado materno, o que em si também feria a sua virilidade. O pai quis assim porque o seu sogro foi mais pai dele, que o bio-lógico. Quem está para essas justificações? Gusmão era endinheirado, tinha mui-tas posses, trabalhava nas alfândegas, meteu-se numa encrenca e teve que pagar com a sua liberdade tudo o que tinha ganho na sua opaca carreira e o seu empre-go, excepto a casa e um carro que existe só porque ainda não tinha conseguido um cliente ideal, mas pelo afecto que ele tinha com o automóvel.
    A quando do seu despedimento raramente saia, acabaram-se as festas, os jantares de gala, o fato italiano. Como alguém que estava fora de si não conse-guia perceber, o porquê dele dar como gorjetas aos garções o salário mínimo. Tudo isso observava num dia quando olhava na instante onde garrafas de whisky e vinho da idade dos seus bisavôs desfilavam; Sentia-se na obrigação de ter cachimbo, mesmo sabendo que depois de consumir tossiria durante a semana toda. Do outro lado da instante viu os livros como se estivessem saindo da gráfi-ca, só os tocou quando estava a arrumar. Com uma curiosidade infantil foi desfo-lhando e pensando na possibilidade daqueles papeis se transformarem em dinhei-ro. Comprou-os porque quando conversa-se com alguns estrangeiros, queriam saber sobre livros, as vezes tinha que os convidar para casa, mostrava-os a prova da sua elegância segundo ele, com isso ganhava aos seus colegas na disputa de clientes, sempre soube escapar quando quisessem saber de alguns detalhes do escritor ou do livro, apenas limitava-se a dizer onde moravam, o que fazia além da escrita e arranjava uma desculpa para trocar de assunto. Nesse dia pôs-se a ler, foi-se encantando pelos livros, descobrindo mundos e horizontes, fazia -o bem o facto de se conhecer através deles. Percebeu a razão e a origem dos seus preconceitos e qual era o fim. Sentia-se animado por ter que ser ele a dar o destino. Desabafava com a senhora, incompreendendo o porquê da marginalização da leitura. Pela sua experiência, havia um total desco-nhecimento entre nós, a literatura poderia ser essa ponte, não só para col-matar esse vazio como também a vaga que todos os dias mediocridade e mesquinhice vão conjugando o nosso verbo viver.
    - Como tudo depende de algo- respondeu a senhora- e acrescenta: para esse cenário mudar é preciso que haja vontade, mas não é uma vontade qualquer. Tem que ser a vontade política.

    0 comentários:

    Publicar um comentário

    Pub

    AS MAIS LIDAS DA SEMANA

    Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More